quinta-feira, 30 de junho de 2016

AMIGOS DO TAÇAS - WILSON FERREIRA

O nosso AMIGO DO TAÇAS desse mês é nosso querido Tio Wilson Ferreira (Tio Wilsinho para os íntimos!!!).
Irmão da nossa mãe, pai dos nossos primos Victor e Gustavo, tínhamos bastante convívio quando morávamos em São Paulo na nossa infância, pois eles são de Jundiaí (interior de SP). Mesmo nos mudando para o Sul de Minas em 1986, a convivência continuou pois as visitas deles a Minas passaram a ser constantes. Hoje em dia nos vemos com menos frequência, mas quando nos encontramos é sempre uma festa!!

WILSON FERREIRA
Descobrimos a pouco tempo que temos algo em comum além do sobrenome: o gosto por vinhos!

Pudemos perceber pelos rótulos que ele escolheu que o conhecimento dele é mais apurado e o gosto dele é mais requintado, porém ele nos aponta tanto vinhos bons e baratos como também aqueles que são "pra uma vez na vida", como ele mesmo diz.


Começando com os Chilenos, temos 2 indicações:


GRAN TARAPACÁ


"Com notas aromáticas de pimenta fresca, cravo, canela e baunilha, este tinto possui um paladar equilibrado, frutado, fresco, com boa estrutura e taninos maduros. A linha Gran Tarapacá Reserva é composta por vinhos expressivos e saborosos, elaborados com variedades selecionadas de diferentes vinhedos. Sua breve passagem por barricas de carvalho, lhe confere complexidade, mas, sem perder as características naturais da uva." Sommelier Wine
Encontramos esse rótulo por R$ 64,00


TARAPACÁ COSECHA



"Este Cabernet Sauvignon é um vinho descompromissado e muito versátil. Tinto jovem, leve, equilibrado e fresco, com final agradável de média persistência." Sommelier Wine
O preço deste é em média R$ 39,90
 
A lista dele também tem um Italiano que ele gosta muito:
 
VALPOLICELLA BOLLA


"Produzido por uma das maiores vinícolas da região, este vinho mostra muito bem o estilo de Valpolicella. Equilibrado, fresco, com taninos maduros e aromas que recordam frutas, como cereja e amora. Trata-se de um Valpolicella de larga tradição no nosso pais, cujo nome é reconhecido e admirado.
Blend de uvas italianas com aromas de frutas vermelhas, como morango, framboesa e cereja, associadas às notas de tosta. No paladar, é leve, possui bom frescor, notas frutadas, taninos macios e agradável final. Os irmãos Bolla fundaram a vinícola há mais de 125 anos, e hoje o sobrenome da família é uma forte marca de vinhos da Itália, conhecida no mundo todo." Sommelier Wine

O preço que encontramos foi R$ 98,90

Agora, no momento ostentação do blog, temos as indicações Francesas do nosso tio:

CHATEAUNEF-DU-PAPE



"Este vinho Chateauneuf-du-Pape tem recebido boas pontuações de vários críticos: o 2012 do vintage foi atribuída uma pontuação de 92 pela Wine Spectator, o International Wine Challenge premiado com a prata 2011 e Decanter World Wine Awards premiado com a prata safra de 2009." Wine Seacher
O preço deste rótulo varia entre R$ 380,00 e R$ 2.200,00, dependendo da safra.


CHÁTEAU MARGAUX



"A história do Château Margaux antecede ao século XII. Nessa época pertencia à aristocracia francesa e era conhecido como La Mothe de Margaux, que se refere a uma pequena parte de terra em ascensão. A prática da viticultura chegou na região em meados do século XVI, na mesma época em que o Château foi adquirido pela família Lestonnac. O primeiro vinho, que leva o nome do Château Margaux, combina o poder natural da Cabernet Sauvignon com um interessante “tempero” de Petit Verdot, é considerado um dos melhores vinhos do mundo e pertencente ao requintado grupo dos Premier Grand Cru Classé. Amadurece em barrica de carvalho francês por em média de 36 meses." World Wine.
O preço deste vinho pode chegar a R$ 7.000,00 dependendo da safra.

Tio, muito obrigada por sua participação. Esperamos abrir um tinto em breve com você!!

terça-feira, 28 de junho de 2016

PUEBLO DEL SOL - UM URUGUAIO SIMPLES E GOSTOSO

Ei pessoal, tudo bem?

Essa é uma dica de um rótulo que experimentei em casa em um fim de semana desses. Queria abrir uma garrafa no almoço pra tomar apenas 1 tacinha e acabei tomando outra da mesma garrafa de novo no jantar.
É o Pueblo del Sol Tannat Roble 2014. Um Uruguaio delicioso, despretensioso, super agradável e simples.


Sobre a vinícola Pueblo del Sol (fica em Montevideo) achei muito pouca coisa no site deles, mas tem a ficha técnica de todos os rótulos disponíveis. Um texto poético está na home dizendo que este nome é uma homenagem ao sol. 


“Nossos vinhos são uma homenagem ao sol.
À forma como nossos vinhedos se pintam de dourado.
Ao seu calor, que ajuda a expressar o melhor de suas videiras.
À sua luz, que guia nosso trabalho desde o amanhecer ao pôr-do-sol.
Ele é o começo de tudo; a energia que nos guia 
para elaborar uma linha de vinhos de valor único.”













Em outra parte do site explica que o Uruguai está localizado na mesma altitude das regiões produtoras de vinho de qualidade do Novo Mundo (África do Sul e Austrália), e ele ainda se destaca delas por condições particulares na geografia pela posição do sol e ventos marinhos que permitem produção de vinhos equilibrados, comparados aos do Velho Mundo (Europa). 

Não consegui encontrar nenhum caminho online para comprar ele, recebi pelo ClubeW ano passado e nem no próprio www.wine.com.br ele está à venda mais. Se alguém souber onde comprar, coloque nos comentários aqui no blog.

Sobre a uva Tannat já falamos neste post aqui, apesar de deixar a boca um pouco mais seca e ser indicada para harmonizar com comidas mais pesadas, eu tomei acompanhando um risoto de camarão com queijo e me agradou bastante. Já a taça da noite acompanhou um pedaço de pizza de massa integral com molho de atum e queijo minas padrão e foi outro sucesso! 
Mais uma vez taí a prova de que as regrinhas básicas do mundo dos vinhos podem ser quebradas de acordo com o paladar de cada um. 

sexta-feira, 24 de junho de 2016

QUAL O MELHOR SACA ROLHAS?

Olá!
Esses dias me peguei em uma loja de utilidades domésticas vendo uma infinidade de tipos de saca rolhas, querendo levar algum pra casa. Mas aí pensei: será que preciso de mais um? Na verdade precisar mesmo eu acho que não, mas que fiquei com vontade de adquirir um de última geração, que quase saca a rolha só de olhar pra ele... isso eu fiquei...

Coincidentemente eu li um artigo sobre o assunto essa semana (foi na revistaadega.uol.com.br ), e achei muito interessante compartilhar por aqui também.



A evolução dos tipos de saca rolhas veio com a evolução dos formatos das garrafas que antes eram esféricas, depois meio achatadas (como uma cebola), o que facilitava a sua abertura já que elas permaneciam em pé e a rolha podia ficar com metade do seu "corpo" pra fora da garrafa.

"Em meados do século XVII, as garrafas já haviam evoluído para um formato cilíndrico, podendo ser armazenadas horizontalmente – o que dava mais espaço nas adegas, já que podiam ser colocadas lado a lado. As rolhas tiveram que acompanhar essa mudança, passando a também ser cilíndricas e com diâmetro padrão. Portanto, remover essas “novas rolhas” já não era tarefa tão simples e um artefato especial para abrir as garrafas precisou ser desenvolvido".

Os saca rolhas mais antigos datam-se de 1676.

"Atualmente, a indústria facilitou e muito a vida dos enófilos, criando saca-rolhas modernos em que simplesmente não se faz esforço algum para abrir uma garrafa.
A infinidade de modelos é incrível. Baseados em princípios de mecânica simples, como alavancas, eles possuem inúmeros designs, mas a finalidade é sempre a mesma: ajudá-lo a liberar o líquido cuidadosamente guardado por aquele vedante de cortiça. Apesar de teoricamente servirem para o mesmo fim, cada um pode servir para uma ocasião diferente."

Alguns são mais fáceis de manusear, outros é necessário bastante prática. 
Na minha humilde opinião, o melhor modelo é aquele vc fica mais confortável em utilizar:

Borboleta

Tradicional



Sommelier
Elétrico



Coelho

De mesa
Pressão



Pinça




quarta-feira, 22 de junho de 2016

FEIRA DE VINHOS SUPERNOSSO 2016

Ei pessoal, tudo bem?

Bom, como alguns de vocês já viram no Instagram (sigam a gente lá @tacasgemeas), estivemos na semana passada na já tradicional Feira de Vinhos do Supernosso aqui em BH. 
Supernosso é um supermercado que tem em vários bairros de Belo Horizonte, em sua maioria na região Centro Sul, e tem como diferencial uma Adega bastante reconhecida. 



Todos os anos, em parceira com o Espaço Meet, anexo da Churrascaria Porcão, ele apresenta uma feira onde mostra toda a sua seleção de vinhos nacionais e importados além de itens de harmonização como queijos, salames e pães. 
Nos chamou bastante a atenção uma gentileza da feira: no ambiente tinham espalhados aproximadamente uns 5 dispensers grandes com gelo e garrafinhas com água mineral de cortesia para o público.
Oferece cursos, dispõe de Sommeliers, especialistas e produtores para explicar e ensinar o que os vinhos tem de melhor para experts, iniciantes e antigos amantes.

Entre tintos, brancos e rosés, conhecemos muita coisa. Gostamos de muitos, amamos alguns e rejeitamos poucos. 
Enfim, o saldo foi bastante positivo.



Degustamos uma infinidade de rótulos por lá (Chilenos, Argentinos, Brasileiros, Franceses, Espanhóis, Italianos e Portugueses) e levamos 2 franceses pra casa, que vamos degustar em breve e logo falaremos deles aqui.


Evento impecável, organizado, bonito, elegante, com todo tipo de público: desde os que entendiam do assunto, os que queriam entender até os que só estavam alí pela farra mesmo! Rsrs 



Amamos o stand dos Chilenos Santa Isle, deu pra perceber, né? A Sommelier que nos atendeu era uma fofa, nos explicou tudo de todos os rótulos e abriu uma garrafa especialmente pra gente!!


Lembram deste post aqui sobre o cardápio que mostrava os tipos de “especialistas” em vinhos que uma amiga nossa (a Bebetta) viu em um cardápio no Itaim Bibi em SP? 
Pois é, identificamos TODOS lá! Morremos de rir quando vimos um "enochato" querendo ensinar o "pai nosso pro vigário", alugando os ouvidos de uma simpaticíssima Sommelier, e até um homem cheirando tanto uma taça de vinho antes de degustar que ele saiu tossindo, coitado! Hahaha 

Bom, brincadeiras à parte, vale muita à pena ir em eventos como este para conferir o que tem no mercado e saber mais, ouvir de quem entende, experimentar e encontrar a sua uva perfeita, a sua marca perfeita, e assim conseguir encontrar o seu vinho perfeito.

Pra quem não conhece ou não é de BH: 
www.feiradevinhossupernosso.com.br
www.supernossoemcasa.com.br 

segunda-feira, 20 de junho de 2016

ROSSO DELLA MAREMMA TOSCANA 2008

Olá!
Este final semana estive em Alfenas, no Sul de Minas. 
O friozinho bom de 15 graus enalteceu a vontade de tomar um vinho e lá fomos nós, eu e marido, assaltar a seleção do meu sogro. 
Ele tem todos os vinhos dispostos em caixas (ainda não tem adega, sua coleção é recente), mas o mais legal é que estão todos catalogados por país, região, título, uva e safra. 
Na lista dele já sorrimos para o Italiano 2008. Escolhemos, degustamos, harmonizamos com a boa e velha Pizza do Batista e pronto! Adoramos! 


"As vizinhanças de Siena são um dos cenários mais belos da Itália. O horizonte de colinas que ganham cores variadas ao longo do ano, culmina em milhares de tons de marrom fulgurando ao sol no meio do outono. Uma natureza que declara sua excelência também nos vinhos que produz. É lá que fomos buscar esse Rosso della Maremma IGT, já com uns bons anos de garrafa, que só lhe fizeram bem.
A Fattoria Cappanacce é uma pequena vinícola familiar que só produz três vinhos. Provando esse você vai concordar com a gente: e precisa mais? Notas de Degustação e Harmonização: Linda cor granada. A Syrah marca este vinho com seus saborosos aromas de especiarias, como pimenta. Também é bastante frutado (cerejas) e tem notas de hortelã. Sua guarda favorece a presença de aromas de pelica e taninos bem polidos. Um vinho longo e bem elegante." www.seloreserva.com.br




Composição de castas:
Sangiovese 70%, Syrah 10%, Grenache 10%, Alicante 5% e Canaiolo 5%.

Importado de distribuído no Brasil em exclusividade pela RUBY WINES no Rio de Janeiro - RJ.

Procurei pra comprar e não encontrei nenhum site disponível hoje. Pode ser feito contato com a distribuidora no link acima.

Em pesquisa identifiquei que o preço dele gira em torno de R$ 92,00 a R$ 105,00 (Safra 2008).


Para mais informações: www.cappanacce.com 

segunda-feira, 13 de junho de 2016

CHILENO CASA RIVAS

Semana passada saí pra jantar com o marido e mais dois casais de amigos e fomos no Restaurante La Victoria em Nova Lima - MG. 
A casa é inspirada nas parrillas de Montevidéu e Buenos Aires e bastante conhecida por sua grande carta de vinhos.
Ficamos muito na dúvida na escolha do rótulo, afinal não somos especialistas... mas acabamos por decidir pelo Chileno CASA RIVAS Cabernet Sauvignon 2014 que pareceu ter um bom custo x benefício e a decisão foi excelente! 


"Cor rubi intenso e brilhante. Aromas de frutas vermelhas, cerejas maduras, especiarias e notas sutis de carvalho. Boa estrutura e acidez equilibrada, taninos suaves e maduros. Final amplo e retrogosto frutado. Ótima expressão dessa variedade, com mais acidez, extrato e taninos do que outros. Sua fruta é suculenta e condimentada." vinomundi.com.br

branco
rosé
tinto

Harmonizou muito bem com tudo que pedimos. Desde as entradas de carpaccio e linguiça defumada, passando pelos pratos que incluíam gnocchi com ragu, filet mignon e salmão (pratos individuais) até as sobremesas divinas que foram petit gateau e crepe de doce de leite.

Pelo vinho pagamos algo em torno de R$ 80,00 por lá.

Procurei na internet pra comprar e encontrei nestes sites (a diferença de preço pode ser em função da uva e da safra):
www.limaodistribuidora.com.br por R$ 52,00
www.adegacontagem.com.br por R$ 58,60
www.vinomundi.com.br por R$ 64,90

Ou seja... o preço do restaurante não foi assustador...

Tudo muito bom! Ambiente, atendimento, comidas e companhias!

E o Casa Rivas, que é o nosso foco de hoje, foi também uma excelente pedida!

quinta-feira, 9 de junho de 2016

VINHOS DO ALENTEJO - REAL FORTE

Olá! Um outro vinho que degustamos na Uaine Night - Vinhos do Alentejo foi o REAL FORTE.


Ele é elaborado com as uvas Aragonês, Castelão e Trincadeira, produzido pela ENOFORUM e engarrafado pela ADEGA COOPERATIVA BORBA, da Região do Alentejo em Portugal.


Eu particularmente achei ele bem simples, mais fraco, de final curto e menos encorpado. 
Daquele tipo de vinho que vc vai bebendo e quando vê já acabou a garrafa, sabe?  rsrs... mas é gostoso.
Acredito que deva ser melhor apreciado em um jantar com comida mais pesada e por pessoas que não gostem daquele final longo que os vinhos mais encorpados trazem.


A média de preço gira em torno dos R$ 40,00 e eu encontrei pra comprar no www.vinhosite.com.br

terça-feira, 7 de junho de 2016

FARIZOA 3 CASTAS - MARAVILHOSO!


Ei pessoal, como vão?

Hj vou falar de um vinho que me agradou desde o layout do rótulo. Com um ar vintage, palavras em português, união de 3 castas, com bege e laranja.... sabe aquela história de não julgar um livro pela capa? Pois é, eu julguei o vinho pelo rótulo dessa vez e me dei bem!


Abri esta garrafa em uma reunião de amigos do trabalho do meu marido lá em casa. Como aqui em BH estava bastante quente, deixei ela no freezer por uns 15 mins e foi o suficiente. Sabor marcante e delicado. Extremamente prazeiroso, senti o sabor dele do começo ao fim. Aprovadíssimo!
Ele é feito a partir de 3 uvas:
Aragonez – É como é conhecida a uva Tempranillo (Espanha) quando cultivada em Portugal. (AMO Tempranillo, é uma das minhas favoritas!)
Alicante Bouschet – Uva resultante do cruzamento das uvas Grenache  e Petit Bouschet. Foi criada por Henry Bouschet na França, hoje é cultivada em Purtugal. Muito utilizada em assembage para acentuar a cor do vinho.

Syrah – Dispensa apresentações! Falei dela aqui

A  vinícola responsável por esse encanto é a Herdade de Farizoa, localizada na aldeia da Terrugem, na sub-região de Borba (Alentejo) em Portugal. 


”A origem da Herdade da Farizoa é desconhecida, ou melhor, perdeu-se no tempo; no entanto, é sabido que no século XVIII e parte do XIX. A propriedade possui um conjunto antigo de edificações, no qual se encontram referências a um passado de tradição vitivinícola. A Herdade da Farizoa está localizada na freguesia da Terrugem, concelho de Elvas e encontra-se integrada na sub-região de Borba, uma das três que constituem a Região Demarcada do Alentejo. O clima da região é caracterizado por Primaveras e Verões muito quentes e secos. A precipitação anual é baixa, na ordem dos 400 mm e concentra-se sobretudo nos meses de Inverno. Os valores relativos à insolação são muito elevados, particularmente no trimestre que antecede as vindimas, contribuindo para a perfeita maturação das uvas e qualidade dos vinhos.” www.palaciodosvinhos.com.br



No Wine ele sai por R$42,00. Foi o único site que consegui achar.

Da mesma vinícola encontrei outros rótulos que pretendo experimentar, com valores entre R$52,00 e R$134,53. Aqui.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

CORPUS CHRISTI EM BOA ESPERANÇA - 3 RÓTULOS, BOAS EXPERIÊNCIAS

Ei pessoal, tudo bem? No feriado de Corpus Christi fui visitar meu pai em Boa Esperança (Sul de Minas) e aproveitei pra curtir o Campeonato Brasileiro de Jet Ski que rola lá todo ano. O clima estava perfeito pra tomar vinho: ensolarado e frio... assim eu pude tomar 3 rótulos.

 
Pai e marido.

O primeiro eu postei no Instagram (sigam o Taças lá! @tacasgemeas). É o Santa Helena Reservado, um vinho super gostoso, fácil de achar em supermercado e com o preço muito bom! Ele custa por volta de R$30,00 e tem várias versões, o que eu tomei foi o Cabernet Sauvignon. O mais legal é que este preço que conseguimos pagar em supermercado, lá em Boa Esperança eu paguei aproximadamente o mesmo, porém em restaurante! Geralmente os vinhos em restaurantes tem preço 100% mais alto (ou mais!) do que nos supermercados, né? Amei poder beber vinho em uma temperatura perfeita em um bom restaurante, harmonizando com tilápia e queijo, por um bom preço!!


O segundo que tomei eu levei daqui de BH pra lá! Foi o Cent'are Nero d'avola Terre Siciliane 2013. Este italiano da vinícola Duca di Castelmonte me conquistou pelo sabor de fruta madura fresca e final médio. A uva Nero d’Avola é uma novidade pra mim, eu nunca tinha experimentado e gostei muito.

 

“A uva Nero d'Avola, também conhecida como Calabrese, dá origem a vinhos interessantes e com personalidade, como o desta seleção, que possui 4,6 g/L de açúcar, o que o torna um meio seco pela Legislação Brasileira. Cent'are Nero d'Avola apresenta aromas de ameixa e amora maduras, alcaçuz e notas de cacau. Em boca, mostra bom frescor, integrado à fruta, com taninos redondos e final agradável.” Sommelier Wine – wine.com.br
Encontrei ele no www.adegadecasa.loja2.com.br por R$36,00.

Agora o último que experimentei foi o melhor de todos: O Dom de Minas Cabernet Franc. Uma excelente constatação do que eu já imaginava.

 

A Andréa já tinha escrito um post aqui no blog sobre vinhos de Minas e ele era um dos rótulos que ela falou, mas eu nunca tinha tomado. Suave e fácil de beber, com um frescor de vinho jovem e a delicadeza dos vinhos brasileiros, com certeza entrou pra minha lista de favoritos. A casta Cabernet Franc, que também é conhecida por Bouchet (St-Émilion), Breton (Loire) e Mencía (Galícia), “é mais suave que sua "irmã" Cabernet Sauvignon, pois floresce e amadurece mais cedo. Seu aroma lembra frutas tropicais e especiarias. Como  também compartilha facilmente suas características, se torna excelente para assemblagens”*. www.sobrevinho.net  
Original da França, se tornou popular na região de Bordeaux no final do século XVIII.
Comprei no Supermercado GF em BE por R$34,00.

Esse post ficou bem diversificado já que mostrei 3 experiências minhas de uma vez só. Mas como 2 delas não eram tão novidade assim, achei interessante falar de todas e como elas alegraram meu feriado. 
Só teve uma coisa ruim: esqueci todas as rolhas na casa do meu pai, então não aumentei minha coleção! Mas tudo bem... ainda espero por mais finais de semana assim!

*assemblagens = mistura de diferentes tipos de uvas para a criação de um vinho.