terça-feira, 11 de outubro de 2016

QUEIJOS E VINHOS

Hoje é véspera de feriado e vou falar de algo delicioso e bastante comum no universo dos vinhos: QUEIJOS!!!


Já ouviu o ditado “para vender vinho, sirva queijo”? Pois bem... ele vem das vinícolas francesas (aprendi no blog Wine Me!) e dita a harmonia entre esses dois alimentos. Foi na França também que se popularizou o consumo dessas duas especiarias juntas. 
Mas com tanta variedade, como harmonizar queijos e vinhos?

Mais uma vez caímos em outro ditado, aquele famoso "gosto não se discute", mas é bom entender um pouco das inúmeras possibilidades para ter uma satisfação ainda maior na hora da degustação.

"Com muitas texturas e sabores acentuados, a harmonização entre queijo e vinho pode ser um desafio, porém, o resultado final garante uma experiência sensorial rica e inigualável!" wineme.com.br 



Não vou falar de regiões de produção, marcas, produtores... nada disso! 
Vou falar de textura, intensidade e acidez, além de dar alguns exemplos, claro!
A textura é sua consistência, se ele é cremoso, firme ou seco. 
A intensidade, seu “envelhecimento”, queijos frescos são mais claros e de sabor mais suave, enquanto os mais amarelados foram mais envelhecidos, acentuando o seu sabor.
Já a acidez também se caracteriza pela cor: quanto mais amarelo e seco, mais ácido. Por conta desses fatores e seu sabor prevalecente, o queijo deve ser escolhido com o intuito de realçar, sem reduzir o sabor do vinho. 
É ideal procurar harmonizar queijos e vinhos de acordo com a intensidade de sabor e envelhecimento, mas também é muito importante respeitar o seu paladar!




Aqui tem alguns exemplos (que tirei do blog Wine Me) de combinações para ajudar na hora de combinar queijo e vinho:

Vinhos tintos

Queijos macios: Também conhecidos como queijos de mofo branco, esses queijos são caracterizados por sua camada branca externa e uma massa firme e cremosa, de sabor amanteigado, como o queijo brie e o camembert. Opte por vinhos mais leves, como o Pinot Noir ou Gamey. 
Queijos de massa filada: Esse tipo de queijo se divide em frescos e maturados. Os frescos, como a muçarela, nozinho e provolone fresco, harmonizam com tintos suaves com uma leve presença de acidez, como o Merlot. Já os maturados, como o provolone maturado, opte pelos tintos de corpo médio, como um Carménère ou um Cabernet Sauvignon.    
Queijos semiduros: Os famosos queijos com “furinhos” também são maturados, mas por um tempo menor que os queijos considerados duros, como o gouda, gruyére e emmental. Para obter sucesso na combinação, escolha tintos de corpo leve e frutados, como o Dolcetto ou Pinot Noir.
Queijos duros: São considerados queijos duros aqueles que ficam por maior tempo em período de maturação, como o parmesão e o Grana Padano. Para acompanhá-los, escolha vinhos robustos, bastante encorpados e que passaram por mais tempo em barrica, como o barbaresco ou vinhos de sobremesa, como o vinho do Porto e o vinho madeira.
Queijos azuis: Um dos mais famosos queijos azuis é o Roquefort, mas também temos o gorgonzola e o Blue Stilton. De sabor característico, busque harmonizá-los com vinhos fortificados, como vinho do Porto e Jerez, combinando a doçura do vinho com o sabor picante do queijo.


Vinhos brancos, espumantes, de sobremesa e rosados

Queijos macios: Para os queijos macios, se a preferência for por algo mais leve, opte pelo mundialmente famoso Champagne. Um Chardonnay, um Pinot Blanc, ou um rosé produzido na mesma região ou próximo à do queijo macio pode ser uma ótima alternativa para os que querem fugir dos frisantes.
Queijos de massa filada: Os vinhos brancos e os rosés jovens são combinações ótimas para os queijos de massa filada. Você pode optar por Sauvignon Blanc.
Queijos semiduros: De sabor amendoado e levemente adocicado, esse tipo de queijo casa com um Chardonnay mais encorpado, como os produzidos na região do Chile e da Argentina. Os rosés também são bem-vindos!
Queijos duros: Para os amantes de parmesão e Grana Padano, a sugestão é ir de espumantes extra brut para que haja equilíbrio entre os sabores.
Queijos azuis: Mesmo sendo uma combinação difícil por possuir sabores marcantes, essa harmonização é possível. Se você não abre mão nem do vinho e nem desse tipo de queijo, permita-se essa ousadia!


Também tem a opção de acrescentar acompanhamentos como pães e frutas que equilibram e até acentuam a experiência entre queijos e vinhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário